20º DOMINGO DO TEMPO COMUM | ANO B- SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE MARIA

18:54 Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres 0 Comments




PRIMEIRA LEITURA 
(AP 11,19A;12,1.3-6A.10AB


Leitura do Livro do Apocalipse de São João:
19a Abriu-se o Templo de Deus que está no céu e apareceu no Templo a Arca da Aliança. 12,1 Então apareceu no céu um grande sinal: uma Mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas.
3 Então apareceu outro sinal no céu: um grande Dragão, cor de fogo. Tinha sete cabeças e dez chifres e, sobre as cabeças, sete coroas. 4 Com a cauda, varria a terça parte das estrelas do céu, atirando-as sobre a terra. O Dragão parou diante da Mulher, que estava para dar à luz, pronto para devorar o seu Filho, logo que nascesse. 5 E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o Filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 6a A mulher fugiu para o deserto, onde Deus lhe tinha preparado um lugar.
10ab Ouvi então uma voz forte no céu, proclamando: “Agora realizou-se a salvação, a força e a realeza do nosso Deus, e o poder do seu Cristo”.
— Palavra do Senhor!

 Graças a Deus!

SALMO 
(44)

— À vossa direita se encontra a rainha,/ com veste esplendente de ouro de Ofir.
— As filhas de reis vêm ao vosso encontro,/ e à vossa direita se encontra a rainha/ com veste esplendente de ouro de Ofir.
— Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto:/ “Esquecei vosso povo e a casa paterna!/ Que o rei se encante com vossa beleza!/ Prestai-lhe homenagem: é vosso Senhor!
— Entre cantos de festa e com grande alegria,/ ingressam, então, no palácio real”.

SEGUNDA LEITURA 
(1COR 15,20-27A)

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios:
Irmãos: 20 Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram. 21 Com efeito, por um homem veio a morte e é também por um homem que vem a ressurreição dos mortos.
22 Como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos reviverão. 23 Porém, cada qual segundo uma ordem determinada: Em primeiro lugar, Cristo, como primícias; depois, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda.
24 A seguir, será o fim, quando ele entregar a realeza a Deus-Pai, depois de destruir todo principado e todo poder e força. 25 Pois é preciso que ele reine até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. 26 O último inimigo a ser destruído é a morte. 27a Com efeito, “Deus pôs tudo debaixo de seus pés”.
— Palavra do Senhor.
 Graças a Deus!


EVANGELHO
(LC 1,39-56)

O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naqueles dias, 39 Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40 Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41 Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42 Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43 Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44 Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45 Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.
46 Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47 e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 48 porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49 porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, 50 e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam. 51 Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52 Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53 Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. 54 Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55 conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. 56 Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.
— Palavra da Salvação.
 Glória a vós, Senhor!

HOMILIA

“Um grande sinal apareceu no céu” 
Gloriosa a rainha
            A Igreja celebra a Assunção de Maria ao Céu para ser um grande sinal. Esta festa é oportunidade para a celebração de tantos nomes de Maria. Nenhum nome esgota sua grandeza, mas todo nome carrega a simplicidade daquela que foi escolhida como Mãe do Filho de Deus. Isabel foi a primeira a chamá-la de Mãe de meu Senhor (nome dado a Deus – Kýrios). Maria reconhece a grandeza do dom: “Todas as gerações me chamarão bem-aventurada” (Lc 1,48). Contudo, considera sua condição de ser sempre servidora humilde. Ela sente que tudo foi por obra da pura misericórdia de Deus. Essa misericórdia se estende de geração em geração. A festa da Assunção não celebra só a grandeza de uma rainha, pois ela é Mãe de Jesus, Rei do Universo, mas também a grandeza que está reservada a toda humanidade, como rezamos no prefácio: “Aurora e esplendor da Igreja triunfante ela é consolo e esperança para o povo ainda em caminho”. Ela é a primeira redimida que, gloriosa, dá esperança a todo povo que caminha na alegria da fé. A Assunção de Maria é como o resultado do grande dom de ser Imaculada por ter sido concebida sem pecado e vivido sem pecado. Como tinha o Céu dentro de si, era justo que partilhasse da gloriosa Ascensão do Filho. Não havia necessidade de esperar o fim dos tempos para participar da ressurreição de todos, pois já estava ressuscitada em sua concepção. Ela realiza a promessa de Jesus: “Quem crê em mim tem a vida eterna” (Jo 6,40).
 Esperança da Humanidade
            O Espírito colocou em seu seio o Filho do Deus Bendito, Jesus, semente da nova humanidade. Redimida pelo sacrifício da Cruz e pela vitória da Ressurreição, o povo de Deus vê nela a realização das promessas. A Humanidade tem esperança pois as portas do Céu estão abertas para todos. Ela é também modelo da caridade humilde. Sobe apressadamente as montanhas da Judéia para ajudar sua prima Isabel. Podemos entender que Isabel representa o Antigo Testamento que gestou a vinda de Cristo. Maria, como parte do povo da antiga aliança corre ao encontro para ajudá-lo a acolher o Messias que ela traz no ventre. O Filho dá o Espírito a João que é o último profeta que veio para preparar para o Senhor um povo perfeito (Oração da missa de S. João Batista). A caridade de Maria se desenvolve no cuidado da jovem Igreja que nasce em Pentecostes. Ela gerou os filhos da Redenção ao pé da Cruz e os gera para o novo povo em Pentecostes. Amar Maria não é uma devoção é uma conseqüência da fé em Jesus que se fez carne em seu seio. É reconhecer que Deus quis habitar entre nós para nos dar sua vida, recebendo nossa vida de Maria que O gerou, por obra do Espírito. O Espírito pode gerar Cristo em nós e já o fez, pois já esteve  em Maria em sua geração carnal.
O dragão perseguiu a Mulher
            Pedimos na oração da missa: “Dai-nos viver atentos às coisas do alto, a fim de participarmos de sua glória”. Mas a glória tem o preço da cruz. A mulher foi perseguida pelo dragão que queria devorar seu filho assim que nascesse (Ap 12,4). Essa mulher é imagem da Igreja perseguida porque tem como Senhor o Filho da Virgem Maria. O dragão do mal continua a perseguir o Filho. Não podendo contra Cristo, persegue a Igreja porque está gerando Cristo ao mundo. Mas a certeza que temos é que o Senhor Jesus vai “destruir todo o principado e todo poder e força… até que ponha todos os inimigos debaixo de seus pés” (1Cor 15,24-25). A Igreja é perseguida nesse momento da história. É sinal da vitória que terá.
Leituras: Apocalipse 11,19ª;121.3-6ª.10ab; Salmo 44; 1Coríntios 15,20-17ª; Lucas 1,39-56

  1. Celebramos a Assunção com os muitos nomes com que chamamos Maria. Isabel a chama de a Mãe de meu Senhor, isto é, Deus. Maria aceita a gloria, pois é dom de Deus e escolhe ser servidora. Ela vê tudo na misericórdia. Sua grandeza está reservada a toda humanidade. A Assunção é resultado de ser Imaculada, pois já tinha dentro de si o Paraíso.
  2. O Espírito colocou em seu seio o Filho de Deus, semente da nova humanidade que vê nela a realização das promessas. Maria garante que as portas do Céu estão abertas para todos. Sua caridade para com Isabel simboliza Maria que ajuda o Antigo Testamento a acolher o Filho de Deus. Maria está presente na gestação do novo povo de Deus, gerado em Pentecostes. A devoção é uma conseqüência da fé em Jesus.
  3. Pedimos para viver atentos às coisas do alto a fim de participar da glória. Esta tem o preço da cruz. A mulher é perseguida pelo dragão que quer devorar o Filho. É a imagem da Igreja hoje perseguida. Mas tem a certeza que o Senhor dominará o mal. 
                        Mulher a ser amada 
            Amar Maria, a Nossa Senhora de tantos nomes, é imitar a Deus que a escolheu porque a amou; que a preservou de todo mal, porque a amou; que a elevou ao Céu porque a amou. Amar pelo amor que tem a seu dileto Filho que ela gerou como mãe.
            Maria elevada ao Céu é o fruto bendito da ressurreição. Ela foi redimida de todo mal, antes mesmo que Jesus tivesse vindo ao mundo, em previsão aos méritos da Paixão e Ressurreição de Jesus, pois a redenção é para todos os tempos.
            Maria deve ser amada porque é companheira nossa, faz parte de nosso povo e, de nossa parte, serve a Deus com totalidade. Deve ser amada porque foi a primeira redimida a estar no Céu de corpo e alma. Em sua carne glorificada está nossa carne. Ir para Céu é uma possibilidade para todos.
            Maria, que recebeu toda graça de Deus, é humilde e reconhece que foi Deus que lhe fez maravilhas. Mas não deixou de ser gente do povo, cumprindo seus deveres. Por ser mãe do Filho de Deus, não se enche de orgulho. Na humildade vai servir sua prima Isabel no momento difícil de um parto na velhice.
            Ela é a rainha do Céu e da terra por ser a servidora de todos, como foi Jesus. Levando Jesus em seu seio dá a João o Espírito Santo para a missão de preparar os caminhos de seu Filho. E dá-nos participar desta graça, colocando-nos em caminho para servir. Por isso: Ave Maria, cheia de Graça.


0 comentários: